sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Pregadores Mercenários - Segunda Parte.


Diante tudo aquilo que reportamos na primeira parte deste artigo é cabível voltarmos agora nossa atenção para o segundo grupo de pregadores aos quais consideramos como mercenários da palavra de Deus, a saber: aqueles que se sentem estrelas ousando cobrar caches absurdos para pregarem ou palestrarem em Igrejas.

A partir do século XX a igreja evangélica brasileira começou a ter uma expansão sem igual em nosso país, vemos isto com bons olhos, já que, a obra de Deus tem que se expandir por todos os lugares não apenas de nosso Brasil, mas, em todos os continentes na face da terra. Com a facilidade de informação conquistada principalmente pela mídia televisiva e informatizada, tornou-se mais fácil o intercambio entre igrejas da mesma denominação ou de denominações diferentes. Esta divulgação em massa fez com que surgissem os denominados pregadores pop stars (aqueles que são reconhecidos como indivíduos cheios da “unção de Deus”, que conduzem multidões para Igrejas e congressos, sem contar uma eloquência fora do comum).

Não há problema algum em homens ou mulheres de Deus ser reconhecidos nacionalmente como verdadeiros paradigmas cristãos. Mas com o passar dos anos começou-se a perceber que isto poderia ser muito lucrativo não apenas para as igrejas, mas principalmente para os pregadores. Foi aí que a coisa começou a desandar e a desagradar a Deus certamente. Voltamos a repetir que o trabalhador é digno de seu salário, mas a bíblia não deve servir como veículo de enriquecimento para ninguém, pois aquilo que recebemos de graça deve ser dado de graça. O problema jaz na cobiça e orgulho de alguns homens, que agora passaram a pregar com objetivos meramente financeiros.

Tais pregadores muitas vezes cobram caches, é isto mesmo caches, exorbitantes para pregarem em Igreja e congressos. Pasmem mas para alguns pregadores suas pregações tornaram-se um negócio milionário. Suas pregações variam de 2.000 reais a números que muitos de nós não acreditaríamos. Certa vez constatei pessoalmente um pregador mui famoso no meio pentecostal arrecadar em um congresso de jovens para seu próprio benefício cerca de R$ 60.000, este era o valor de sua pregação. Outra vez contemplei um cantor-pastor mui famoso no âmbito evangélico conclamar a igreja para ofertar, para isto o mesmo antes de passar as salvas depositou nelas cerca de 400 reais que jaziam em sua carteira e um relógio de ouro caríssimo. Tal pregador fez toda esta cena para dispor o coração simples das pessoas para doarem tudo que elas tinham no momento, mas o pior constatei depois ao contemplar no final do culto o pastor da Igreja devolver tanto o dinheiro quanto o relógio que o pregador instantes atrás havia colocado na salva. O que podemos concluir deste fato é que havia um acordo entre pastor e pregador para enganar a fé e a boa vontade das pessoas daquela Igreja.

É de entristecer, mas homens que deveriam servir como paradigmas de humildade, serviço, cumplicidade e amor para com o povo de Deus tornaram-se gananciosos e falsificadores da Palavra, contadores de histórias e enganadores do povo de Deus. Não é de admirar, pois há muito tempo o apóstolo Paulo já nos alertava concernente a isto, falando que nos últimos dias apareceriam homens que mercadejariam a Palavra Santa do Senhor. Será que tudo isto não se tornou realmente um mercado?

Meus amados nossa geração deve ter por missão denunciar, lutar e transformar esta realidade que muitos pregadores fundaram, a saber, mercadejar a Palavra do Senhor. Devemos pregar de forma pura, estando alicerçados nas Santas Escrituras. Diz a Palavra do Senhor: Disputas de homens corruptos de entendimento, e privados da verdade, cuidando que a piedade é fonte de lucro;... Mas os que querem tornar-se ricos caem em tentação e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, as quais submergem os homens na ruína e na perdição. Porque o amor ao dinheiro é raiz de todos os males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores (1ª Timóteo 6.5,9-10). Paulo demonstra em suas palavras a realidade que o evangelicalismo do século XXI vem passando, homens apegados ao dinheiro que servem não como paradigmas para a cristandade, mas de vergonha para o evangelho.

Paulo dá também algumas instruções para aqueles que querem fazer a diferença neste meio: Mas tu, ó homem de Deus, foge destas coisas, e segue a justiça, a piedade, a fé, o amor, a constância, a mansidão. Peleja a boa peleja da fé, apodera-te da vida eterna, para a qual foste chamado, tendo já feito boa confissão diante de muitas testemunhas (1ª Timóteo  6.11-12). O verdadeiro pregador e homem de Deus é aquele que não serve a dois senhores, a saber, Deus e as riquezas. O seu coração não está aprisionado a cobiça e muito menos a mentira. O seu prazer é fazer a vontade de Deus independentemente daquilo que ganhará em seu benefício. Para ele dar de graça aquilo que recebeu não é um peso, mas uma obrigação que o constrange todos os dias.

Não podemos agir como falsificadores do evangelho, nosso dever é falar não o que agrada aos ouvidos do povo de Deus, nós não pregamos um evangelho antropocêntrico, mas, um evangelho teocêntrico. Nosso papel é alertar nossa geração ante tantas mazelas que vem se alastrando em nosso meio. Que possamos viver uma vida de santidade e de servidão ao nosso Senhor, propagando seu amor e sua graça a uma humanidade que jaz em trevas, não como mercenários, mas como verdadeiros discípulos de Cristo Jesus.

Soli Deo Gloria!
Pr. Narciso Montoto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pages - Menu

Flickr